22 de março de 2013

A viagem - transformando sonhos em realidade

Viver para mim sempre foi um sonho. Sempre sonhei acordada desde menina, desde a época - lá pelos meus sete anos - quando comecei a escrever poesia.

Sonhar é lindo, transformar os sonhos em realidade é maravilhoso. Deixar se levar pelos sonhos é melhor ainda. Porque nosso corpo deve escutar nossas emoções e sentir vibrar nosso corpo e tilintar nossas veias e artérias.



Dentre meus sonhos e meus desafios dos 50 anos, incluí revisitar sonhos de infância. E quais são os sonhos de infância? São os mais simples do mundo. Brincar e se divertir sem freios, brincar como criança e, para isso, é sempre bom viajar e, por exemplo, nadar com os golfinhos. Ou ver o show da baleia, tirar foto com os papagaios, a tartaruga, o lagarto. Sentir os animais, as pessoas, os seres vivos e pulsantes.

Viajar é terapêutico. É enriquecedor, tudo à sua volta é aprendizado, cultura, somatório. E se deliciar com tudo isso é como sonhar acordada como quando eu era criança. Por isso viajo sim. Preparo os fundos monetários, o trabalho, a minha equipe, meus clientes e vou. 


Num voo de realidade, porque gerenciei o meu sonho, escrevi no papel e me permiti voar.
E cheguei em Miami. Miami do mundo animal. Em contato sem medo com as espécies que, pelo parque, passeavam. E quantos bichinhos quero abraçar? Talvez finalmente me abraçar ao reino animal que sempre temi quando criança. 


Foram muitos abraços, cumprimentos, apertos de mão. Até a tartaruga me olhou no fundo dos olhos, eu olhei para ela antes do clique do fotógrafo, numa compreensão mútua.

Para que eu entendesse que nem sempre é necessário correr com a vida, às vezes vamos devagarzinho e chegamos lá.

Eu na minha pressa louca de realizar meus desafios, me esquecia das delicadezas de cada momento, por momentos me esquecia das singularidades de cada pessoa à minha volta.

Cada golfinho com seu ritmo, cada tartaruga, papagaio. E haveríamos todos para convivermos bem juntos de entender o ritmo do outro. Animais e seres humanos.

Eu queria retomar o convívio, todos os convívios que tenha perdido com o tempo que se passa.

E perceber cada nuance do passante. Perceber o momento de cada um e respeitar.
Ali eu aprendia com as tartarugas.


Os sonhos travessos chegam para todos, é importante sonhar.
Que a realidade bate à porta. Em Miami, no Rio, na Holanda, no Japão, em qualquer lugar do mundo. Sua realidade sonhada vai chegar.
Só sonhar firme e vibrar o sonho.


Eu estava lá sonhando com minhas peraltices.
Eu e o golfinho olhando diretamente para as lentes de Rachel como se nos convidasse a participar da prosa.


Uma viagem de coração, de corações. Assim fecho o capítulo de hoje.


Desejo para você viagens, as viagens que você se permitir e corações em festa.
Todo dia é dia. Transforme.

Beijos carinhosos

MAIS RECENTES

ASSINE POR EMAIL

Copyright © 50 COISAS ANTES DOS 50 - VERA LORENZO

Todos os Direitos Reservados